Notícias

Cana-de-açucar como alternativa para geração de energia elétrica
Por Danielle Bohnen
A energia gerada a partir da combustão do bagaço da cana-de-açucar faz parte do sistema de geração de biomassa. A cana-de-açucar é responsável pela produção de energia para a produção de álcool e uma parte contribui para o sistema elétrico. Essa geração é estimada para atender até 15% da demanda do país.
Com crise do setor elétrico e a ascensão das fontes alternativas de energia, a cogeração a partir do bagaço da cana é uma promessa para ajudar no sistema elétrico do país. Aumentando a participação das empresa sucro-alccoleiras nas atividades deste setor.
A maior vantagem trazida pela cana-de-açucar é que trata-se de uma biomassa renovável e limpa, diminuindo emissões tóxicas resultado da queima de combustíveis fósseis. Outra vantagem é que a safra sucroalcooleira coincide com a época de menor pluviosidade, quando dimunuem os reservatórios de águas nas hidrelétricas. Além disso, oferece uma alternativa de baixo custo, pois o produto não depende de variações combiais.
 
Bagaço  para geração de energia. Foto- Patrícia Cândida Lopes
Os problemas encontradas pelo sistema, tem a dificuldade em conseguir investimentos, dúvidas sobre a capacidade de absorção pelo mercado e a capacidade de cobrir os investimentos necessários.
De acordo com a ANEEL - Agência Nacional de Energia Elétrica “a co-geração de energia é o processo de produção combinada de calor útil e energia mecânica, geralmente convertida total ou parcialmente em energia elétrica, a partir da energia química disponibilizada por um ou mais combustíveis. A cogeração trata-se da associação da geração simultânea combinada de dois ou mais tipos de energia, utilizando um único tipo de fonte energética” (Embrapa).
Como funciona
O bagaço da cana-de-açucar é queimado em uma fornalha, o vapor resultante é armazenado em uma caldeira.
O jato do vapor gira a turbina da usina, que por sua vez está ligada ao gerador. Dessa forma, a energia mecânica é transformada em energia elétrica.
 

Sala de distribuição de energia elétrica.  Foto- Rogério Haruo Sakai