Notícias

Um brasileiro em meio às controvérsias sobre a origem do rádio
A origem do rádio está vinculada, assim como todos os eletrônicos, à evolução da Energia Elétrica com seus principais personagens (leia nossa matéria “A evolução da Energia Elétrica” que se encontra em nosso arquivo online). Onde cada um deu seu próprio conhecimento como uma peça básica que compõe todo o sistema que hoje conhecemos.
Em fins de 1870, Nicola Tesla, cientista italiano se opôs às pesquisas de Thomas Alva Edison, o famoso inventor da lâmpada, que só utilizava correntes contínuas e passou a fazer experimentos com correntes alternadas. Assim então, descobriu que não era necessário fios para se obter uma corrente elétrica e inventou o primeiro “transformador amplificador” na tentativa de iluminar o mundo gratuitamente, porém interesses políticos e coorporativos o impediram de seguir com suas pesquisas. Na tentativa e conseguir verba para seus reais interesses, Tesla apresentou o projeto para uma nova invenção sobre um rádio transmissor, mas que acabou abandonando para seguir as pesquisas com o transformador.
Nikola Tesla
Outros dois nomes muito importantes são James C. Maxwell, professor inglês da Universidade de Combridge, que provou a existência de ondas eletromagnéticas na teoria onde luz e calor são vibrações eletromagnética. E, Henrich Rudolph Hertz, que provou na prática as pesquisas de Maxwell. Através de aparelhos de sua invenção ele pôde definir a velocidade e longitude dessas ondas, por isso as “ondas de rádio”, até hoje, levam o seu nome.
James C. Maxwell
Hertz
Mas para quem conhece um pouco da história das telecomunicações já ouviu falar em um nome que se tornou famoso na história, mas que hoje é sabido e questionado o seu valor quanto à inventor do rádio: Guiglielmo Marconi. Natural da Itália, Marconi utilizou as descobertas de Tesla, Maxwell e Hertz para compor o primeiro aparelho radiofônico conhecido pelo mundo, fez seus primeiros testes no ano de 1895. Porém já é de conhecimento mundial que o padre brasileiro Roberto Landell de Moura criou aparelhos de transmissão de ondas de rádio em 1893.
Guglielmo Marconi
Marconi conseguiu a patente da rádio em 1896 e Landell só a conseguiria em 1900. Infelizmente, apesar de haver registros que comprovam as experiências do sacerdote, nem o mundo nem o Brasil lhe dá o lugar que lhe cabe na historia das telecomunicações. Segundo Luiz Netto em seu texto “O Radio é uma invenção produto do trabalho de um homem só?”, o autor explícita: “Se estivessemos preocupados com quem fez o que e em que datas, os registros são claros: Em06 de junho de 1900 Landell de Moura fez uma transmissão da palavra humana articulada com a presença da imprensa registrando o fato e a presença de autoridades na época incluindo o consul britânico em São Paulo, P.C.Lupton, isto para dizer o mínimo já que são feitas referências às datas de 1893, época em que isto já foi conseguido, já com fonia, mas que alguns questionam. Recordemos que é consignado à Marconi em 1895 somente a telegrafia utilizando o Código Morse e não fonia… Isto mostra que apesar de, em geral, na história do rádio um nome só ser lembrado, aqui os norte-americanos quando a questão envolvia consequências econômicas não fizeram coro nessa concordância”.
Pe. Roberto Landell de Moura
Para Netto a descoberta das telecomunicações não pode estar vinculada a apenas um nome. Já que todas as invenções foram criadas a partir de pesquisas realizadas pelos seus antecessores. “No caso das telecomunicações, existe um evidente exagero ao se mencionar o nome de Guglielmo Marconi como o inventor, "o pai" do rádio. Tal afirmação levanta uma onda de protestos e reclamações sôbre a prioridade em muitos países inclusive no Brasil. Poucos brasileiros têm conhecimento dos trabalhos do Padre Roberto Landell de Moura,o primeiro radioamador do mundo, (Eletrônica Popular, nov/dez 1967) e um dos indiscutíveis pioneiros das telecomunicações, não só no Brasil, mas no mundo inteiro”. Segundo o autor, o padre Landell de Moura, fez uso de alguns aparelhos conhecidos na época em combinação com suas invenções totalmente originais e descnhecidas dentro da sociedade científica da época: “O padre Landell de Moura construía e demonstrava seus engenhosos aparelhos de comunicações, tanto telegráficos como telefônicos, justamente na época em que o telefone com fio era a grande novidade em aplicação nos grandes centros europeus e americanos. O telégrafo ja era bastante usado e conhecido, porém o "telégrafo sem fio", era uma novidade total mesmo nos meios científicos europeus ou americanos. O "telefone sem fio" usando como onda portadora um raio de luz ou outra vibração eletromagnética, era uma idéia totalmente original e cuja prioridade pertence indiscutívelmente ao brasileiro Landell de Moura… Hoje examinando os esquemas, circuitos e descrições dos aparelhos do incrível padre Landell, surpreende a sua engenhosidade ou mesmo a sua genialidade, absoluta segurança de julgamentos sôbre as próximas e futuras possibilidades das comunicações por ondas eletromagnéticas”.
Assim é evidente a importância do padre Roberto Landell de Moura para a evolução das telecomunicações no Brasil e no mundo. Seu nome merece receber um lugar junto aos dos grandes cientistas e pesquisadores que ajudaram e aos que ajudam hoje a montar o quebra-cabeça sem fim de uma história em constante evolução.
Fontewww.srhistoria.blogspot.com
www.landelldemoura.qsl.br/antena.htm
Para saber mais:
Livro:
-       FORNARI, Ernani. “O incrível padre Landell de Moura”. Ed. Globo.
Na web:
-       http://depokafe.wordpress.com/2007/06/20/o-verdadeiro-inventor-do-radio
-        http://inventors.about.com/od/rstartinventions/a/radio.htm
-       http://en.wikipedia.org/wiki/Invention_of_radio